sábado, 3 de junho de 2017

O espaço deixado pela ausência

Não se pode ignorar o vazio da ausência.
É difícil fechar os olhos e não sentir o eco dentro do próprio coração, bem naquele lugar onde as lembranças daquela pessoa permanecem, mesmo quando ela já partiu. Então é fácil se dar conta de que acabou; aquela pequena alegria escorreu pelos dedos sem que fosse possível mantê-la.
Tudo se transforma em uma dor aguda, incômoda e persistente. É difícil respirar, pensar ou esbarrar em tudo aquilo que lembra quem partiu. O mundo fica repleto de indícios daquela presença e lembra constantemente de quem costumava estar ali, tão perto, tão presente… dói pensar que bastou um piscar de olhos para que tudo encontrasse o fim inevitável.
É hora de recomeçar.
É hora de dar novo significado tudo o que um dia fez sentido e agora significa feridas que demoram a cicatrizar. É preciso retomar os caminhos que se interromperam quando a partida se fez, ainda que o ânimo de prosseguir com a jornada não possa ser encontrado. Partiu, junto com a pessoa que encontrou a saída mais próxima e foi embora sem olhar para trás. Você ficou; a vida continuou e não espera você se recuperar para continuar lá fora.
O retorno é tão complicado quanto a dor que ainda atormenta. Mas você descobre que consegue caminhar, mesmo que devagar. Você sabe o que é recomeçar e que a persistência pode ser a melhor amiga que você precisa, junto com a vontade e a gratidão por conseguir olhar para frente. A luz de um futuro chama. O desejo de cura fortalece.
Algumas vezes é possível perceber o vazio, mas ele diminui a cada dia. Ainda sobram lembranças, assim como as feridas persistem em infligir a dor. Você aprende a crescer com cada uma dessas coisas e entende que o vazio era o espaço necessário para que você se aconchegasse dentro de seu ser, encontrando sentido em seu próprio interior. As respostas estavam ali para aquelas perguntas que tanto martelaram sua mente. Você era a solução que precisava.

O tempo passou e as cicatrizes estão ali, não para mostrar o vazio; e sim para que você perceba o quanto cresceu. E a ausência que antes machucava agora é a lembrança do que foi possível aprender com quem partiu. As coisas boas ficaram e a vida continua. 

2 comentários:

  1. Olá!
    Amei esse texto e talvez por estar passando um momento digamos de "crise solitária" acabei por me emocionar com o texto, que bom que as coisas em algum tempo passe né?

    Ficou bem bacana seu cantinho, descobri ele no blog da Morgs
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcia, tudo bem?

      Muito feliz com a sua presença aqui nesse meu cantinho. Também fico feliz de saber que o texto causou identificação de alguma forma. Espero que venha a te confortar também.

      Fique à vontade para voltar sempre que precisar e, caso queira acompanhar mais coisas, curta minha página no facebook e assine minha newsletter, que sempre tem conteúdo exclusivo.

      Bjos <3

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...